sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Crescer - Clarice Lispector

"Estava permanentemente ocupada em querer e não querer ser o que eu era,
não me decidia por qual de mim, toda é que nao podia ser;
ter nascido era cheio de erros a corrigir.
Só tinha tempo de crescer.
O que eu fazia para todos os lados,
com uma falta de graça que mais parecia o resultado de um erro de cálculo.
Na minha pressa eu crescia sem saber pra onde."

Limites - Clarice Lispector

"Fico com medo.
Mas o coração bate.
O amor inexplicável faz o coração
bater mais depressa.
A garantia única é que eu nasci.
Tu és uma forma de ser eu,
e eu uma forma de te ser:
Eis os limites de minha possibilidade."

Pouco de mim - Clarice Lispector

" Tudo tem que ser bem de leve para
eu não me assustar
e não assustar os que amo.
Pedem-me pouco,
pedem-me quase nada.
O terrível é que eu tenho muito para dar
e tenho que engolir esse muito e ainda
por cima dizer com delicadeza :
obrigada por receberem de mim um pouquinho de mim."

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Eu lavo minhas mãos no fogo - Fabrício Carpinejar

Esquecemos com facilidade o que não queremos compreender.
Acreditava que as árvores só cresciam de noite. Não mudei de opinião.
Os homens crescem dentro das árvores. A noite conversa com os sapatos.
Falo comigo, o que não significa que me escuto. Ainda não conheço as palavras.
Conheço o lodo do tanque. Não conheço o encanamento dos relâmpagos no morro.
Complico minha vida para a morte ter o que pensar. Assim a entretenho.
O frio quando chega de assalto torna as pessoas desajeitadas, deselegantes.
É como se elas usassem uma roupa em cima da outra, sem muita concordância.
Parece que estamos com casacos alugados. Com pijama por baixo.
No inverno, adivinho as mulheres pelo rumor das pedras.
Não peço licença para pressentir. Elas enredam a água, acalmam o espaço.
Ao ouvi-las, espero minha chegada. Em toda mulher, eu me devolvo. Não tive luxo.
Tudo o que economizei de som foi consumido pelo vento. O fogo é a permanência do vento.
A lembrança tem uma cicatriz que não fecha pela insistência.
A insistência é a pressa de se ver acabado. A pressa é curiosidade de não se acabar.
Eu não cicatrizei minha vida.
Não me culpo por me desperdiçar, muito menos procuro desviver o que vivi para estar de paz com a memória.
Não há paz na memória. A alegria é insônia.
De vez em quando, sento no balcão para imitar uma janela.
Eu me perpetuo ao me consumir.
Quem se adia não chega nem ao seu começo.
A ferida é a altura da árvore, do homem dentro da árvore, que só cresce de noite.

Eu mesmo - Mozart

Quando sou,
por assim dizer,
absolutamente eu mesmo
completamente só e de bom humor;
é nessas ocasiões que minhas idéias fluem melhor
e mais abundantemente".

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Duração - Carlos D de Andrade

O tempo era bom? Não era
O tempo é, para sempre.
A hera da antiga era
roreja incansavelmente.


Aconteceu há mil anos?
Continua acontecendo.
Nos mais desbotados panos,
estou me lendo e relendo.

Tudo morto, na distância
que vai de alguém a si mesmo?
Vive tudo, mas sem ânsia
de estar amando e estar preso.


Pois tudo enfim se liberta
de ferros forjados no ar.
A alma sorri, já bem perto,
da raiz mesma do ser.


in 'As Impurezas do Branco'

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Loucura controlada - Lygia F Telles

Solução melhor é não enlouquecer mais do que já enlouquecemos,
não tanto por virtude, mas por cálculo.
Controlar essa loucura razoável:
se formos razoavelmente loucos não precisaremos desses sanatórios
porque é sabido que os saudáveis não entendem muito de loucura.
O jeito é se virar em casa mesmo, sem testemunhas estranhas.
Sem despesas.

Inverso - Martha Medeiros

...a mais carinhosa também é a mais bruta
a mais inteligente é ao mesmo tempo a mais sensível
a mais bonita também é a mais emburrada
a mais esperta é ao mesmo tempo a mais mundo-da-lua
a mais bem humorada também é a mais secreta
a mais velha é ao mesmo tempo a mais moleca
a mais moça também é a mais madura.
Não vive sem a outra e eu não vivo sem as duas...

in "Cartas extraviadas e outros poemas"

Se o amor não vai bem, concentre-se em você ! - Rosana Braga

Se a relação não vai bem, muitas vezes precisamos baixar a ansiedade e esperar,
até que a situação melhore; pois ela sempre melhora, de uma forma ou de outra!
Percebi que a dúvida não está em dar um tempo, mas em como conseguir fazer isso,
em como suportar a espera. Realmente, é sempre muito difícil esperar.
A paciência é o exercício da espera... um grande e penoso aprendizado para nós, seres humanos. Mas, sabe, a verdade é que só há uma maneira de dar um tempo para o amor.
É tirar o foco do outro e colocá-lo em você!
Isto é, existem momentos na vida em que, mais do que nunca,
precisamos olhar para nós mesmos, nos concentrarmos em nossos próprios sentimentos, lançarmos mão de nossa coragem e perguntar ao nosso coração o que realmente queremos,
do que realmente gostamos e o que realmente estamos fazendo com nossas vidas...
Geralmente, quando estamos num relacionamento,
costumamos nos concentrar no outro quase que totalmente,
seja nas características boas, seja nas ruins.
Por conta disso, passamos a responsabilizar o outro tanto por nossa felicidade
(quando tudo vai bem), como por nossa dor, por nossos medos,
inseguranças e tristezas (quando tudo vai mal)...
Se tudo vai bem, nem percebemos.
Mas quando a desilusão chega (e ela sempre chega, porque é uma grande mestra:
nos tira da ilusão em que estávamos vivendo),
fica muito doloroso admitir que também somos responsáveis,
que também contribuímos para que certas ilusões fossem criadas e mantidas...
E, assim, recusando a dor, negando nossa participação, nada conseguimos fazer,
nada podemos mudar e não sabemos como sair desse jogo.
Certamente, escrever é bem mais fácil do que viver, mas eu lhe garanto:
sei o quanto é difícil, mas sei o quanto é possível!
Então, sugiro que diante da desilusão,
diante da crise que vai se instalando dia-a-dia numa relação de amor,
você se concentre em si mesmo.
Todos nós, algum dia em nossas vidas, já quisemos mudar a pessoa amada.
Já desejamos que ela fosse diferente, que agisse de outra maneira,
que nos dissesse outras palavras e talvez até sentisse outros sentimentos.
Mas nos deparamos com a impossibilidade de mudar o outro.
É assim: descobrimos a duras penas que não podemos melhorar o outro porque já temos dificuldade e trabalho o suficiente para melhorarmos a nós mesmos.
Mas nem sempre nos damos conta de que a melhora pede conhecimento, dedicação e coragem.
Só poderemos sair da dor quando soubermos exatamente onde está nossa ferida.
Sim, porque o outro não tem o poder de nos fazer sofrer se, antes, nós mesmos não tivermos criado uma ferida para que, ao ser tocada, sintamos dor...
Ou seja, o outro não nos machuca, apenas toca em nossos machucados (feitos por nós mesmos) para nos lembrar de que eles ainda estão ali,
precisando de cuidados, de atenção, de tratamento.
Faça um check-up interno.
Descubra quais são as feridas que você foi lhe fazendo ao longo da vida.
Lembre-se das vezes em que os acontecimentos não foram exatamente como você esperava, como você gostaria e que, por isso, você se feriu, se culpou,
não foi capaz de aceitar o ritmo do Universo.
Esteja certo de que, uma vez detectadas as suas feridas, você saberá como curá-las.
Saberá ainda que é exatamente esse o tempo que a gente dá para a relação.
Um tempo para nós mesmos, para nossas dores, para nossa cura... Para nossa evolução!
E de tempo em tempo, de dor em dor, estaremos cada vez mais prontos para viver o amor...

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Aprendizado - Paulo Coelho

"Existem derrotas, mas não existe o sofrimento.
Um verdadeiro guerreiro sabe que ao perder uma batalha
está melhorando sua arte de manejar a espada.
Saberá lutar com mais habilidade no próximo combate".

domingo, 24 de janeiro de 2010

Busca - Lya Luft

Não saber exatamente o que queremos,
mas procurar, achar e perder,
e continuar buscando,
na mais saudável inquietação,
é que torna a vida tão fascinante,
e faz valer a pena.


in Em outras palavras

A lucidez perigosa - Clarice Lispector

Estou sentindo uma clareza tão grande
que me anula como pessoa atual e comum:
é uma lucidez vazia, como explicar?
Assim como um cálculo matemático perfeitodo qual,
no entanto, não se precise.
Estou por assim dizer vendo claramente o vazio.
E nem entendo aquilo que entendo:
pois estou infinitamente maior que eu mesma,
e não me alcanço.
Além do que: que faço dessa lucidez?
Sei também que esta minha lucidez
pode-se tornar o inferno humano– já me aconteceu antes.-
Pois sei que
– em termos de nossa diária e permanente acomodação resignada à irrealidade –
essa clareza de realidade é um risco.
Apagai, pois, minha flama, Deus,
porque ela não me serve para viver os dias.
Ajudai-me a de novo consistir dos modos possíveis.
Eu consisto,
eu consisto, amém.

Reticências - Mário Quintana

As reticências são os três primeiros passos do pensamento
que continua por conta própria o seu caminho...

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Amor - Dóstoiewisky

"Durante toda a vida, eu não podia sequer conceber em meu íntimo outro amor,
e cheguei a tal ponto que, agora,
chego a pensar por vezes que o amor consiste justamente
no direito que o objeto amado voluntariamente nos concede
de exercer tirania sobre ele."


in Memórias do Subsolo

Pré juízos - Dóstoiewisky

"Não o julgues levianamente nem apaixonadamente, como costumas fazer com tudo,
se à primeira vista houver nele qualquer coisa que não te agrade.
Digo isso apenas por cautela, pois estou convencida de que ele há de causar-te boa impressão. Além de que, para conhecer uma pessoa, seja ela quem for,
é preciso proceder de maneira prudente e discreta,
a fim de não incorrermos em erros nem em juízos precipitados,
que depois custam muito a desfazer e a retificar"


in Crime e Castigo.

Para refletir - Oscar Wilde

” Abandonaríamos muitas coisas,
se não tivéssemos o receio de que outros as recolhessem.”


in O Retrato de Dorian Gray

Calmaria - Elizabeth Gilbert

“O eixo da calmaria é o teu coração.
É aí que Deus vive dentro de ti.
Portanto, pára de procurar respostas no mundo.
Limita-te a regressar a esse centro e aí encontrarás a paz.”


in Comer, Orar e Amar

Enigma do amor - Stephenie Meyer

Em tantos milênios, os humanos nunca entenderam o amor.
Quanto é físico, quanto está na mente?
Quanto é acidente e quanto é destino?
Por que casamentos perfeitos se desintegram e casais impossíveis prosperam?
Não sei as respostas nem um pouco mais que eles.
O amor simples está onde está.

in A Hospedeira, pág. 43

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Perseverança - Goethe

"A perseverança austera, dura, contínua,
pode ser empregada pelo mais humilde entre nós,
e raramente deixa de atingir seu fim,
pois seu poder silencioso cresce,
irresistivelmente, com o tempo".


Renovação - Martha Medeiros

"Sim, é verdade,
estou feliz
mas isso não significa
que não deva
ohar pros lados
e que precise
acordar todo dia à mesma hora
sim, a princípio nada me falta
mas não preciso viver em função disso
deixar de querer um pouco mais
e trocar os meus desejos
por outros que não lembro agora
sim, que me conste, eu estou bem
mas o espelho não é o mesmo todo dia
já não gosto tanto assim dos meus desenhos
e hoje não vou comprar morangos
e sim abacates, uvas e amoras
sim, pra que negar, estou alegre
mas não vou me conformar com calmantes
nem me embriagar de satisfação
não quero a morte lenta, exijo a renovação."

Você e o mundo - Vinícius de Moraes

"Você é ao mesmo tempo um coração que bate
e um único batimento nesse corpo chamado humanidade".

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

O tempo - Paulo Esdras

O segredo do tempo é consumi-lo sem percebê-lo.
É fingir-se infinito para não o vermos passar
É fazer-se contar em anos em vez de momentos
Relógio, despertador, cronômetro, calendário
Tudo engodo para imaginarmos prendê-lo, controlá-lo
Ampulheta, único instrumento sincero do tempo
Regressivamente, nos impõe a gravidade
De haver realmente um último grão
Riscando na areia a nossa fragilidade
Mas o tempo é imparcial
Não distingue rico de pobre
Preto de branco, homem de mulher
Devora-se sem escolhas
Matar o tempo é matar-se sem sentido
Perdê-lo é viver em vão
Faz-se devagar nos maus momentos
Depressa quando o queremos
Ponteiro invisível da vida
Peça necessária do fim
A sua fome é insaciável
A sua vontade é determinante
A sua procura é unanime
Se esconde nas sombras que se movem
Nos objetos que não mais servem
Nas pessoas que nunca mais vimos
Na podridão das frutas que não foram colhidas
Nas lembranças já esquecidas
Revela-se nas fotos que se desbotam
Nas cartas que amarelam
Nas crianças que crescem
Nas rugas que aparecem
Deixa-nos a esperança de Pandora
Nas acções dos que virão
No nascimento dos rebentos...

Amor sincero - Shakespeare

De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça: amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera,
Ou se vacila ao mínimo temor.
Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;
É astro que norteia a vela errante,
Cujo valor se ignora, lá na altura.
Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfange não poupe a mocidade;
Amor não se transforma de hora em hora,
Antes se afirma para a eternidade.
Se isso é falso, e que é falso alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.

Felicidade - Ivan Turgueniev


"A Felicidade é como a Saúde:

se não sentes a falta dela,

significa que ela existe ! "

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

SELO - Esse Blog vale à pena ...!

Fiquei super feliz de ter receber esta homenagem da amiga blogueira Juliana Brazil, do blog Inspirações para a alma - http://cronicas-e-frases.blogspot.com/

Funciona assim:
Eu devo indicar cinco amigos e nomeá-los numa postagem. Em seguida visito os seus blogs e comunico a nomeação. Cada um deverá nomear mais cinco, e assim sucessivamente.

Os meus indicados são:
http://amigosdofreud.blogspot.com/
http://jardimdosgirassois.blogspot.com/
http://schsonia.blogspot.com/
http://euprecisoviver.blogspot.com/
http://meninasdepantufa.blogspot.com/

Sonhar - Edgar Allan Poe

"Aqueles que sonham de dia são mais experientes
em muitas coisas que escapam daqueles
que sonham apenas à noite".

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Pra quê - Florbela Espanca

Tudo é vaidade neste mundo vão...
Tudo é tristeza, tudo é pó, é nada!
E mal desponta em nós a madrugada,
Vem logo a noite encher o coração!
Até o amor nos mente, essa canção
Que o nosso peito ri à gargalhada,
Flor que nascida e logo desfolhada,
Pétalas que se pisam pelo chão!...
Beijos de amor! Pra quê?!...
Tristes vaidades!
Sonhos que logo são realidades,
Que nos deixam a alma como morta!
Só neles acredita quem é louca!
Beijos de amor que vão de boca em boca,
Como pobres que vão de porta em porta!...

in Sonetos ed.Martin Claret, pág 35 São Paulo 2004.

Tempo - Kafka

"Deixem o futuro dormir como merece.
Se o acordarem antes do tempo,
teremos um presente sonolento".

Calma - Kafka

Não é necessário sair de casa.
Permaneça em sua mesa e ouça.
Não apenas ouça, mas espere.
Não apenas espere, mas fique sozinho em silêncio.
Então o mundo se apresentará desmascarado.
Em êxtase, se dobrará sobre os seus pés.

Reflexões - Kafka

"Reflexões calmas,
inclusive as mais calmas,
ainda são melhores
do que as decisões desesperadas."


in A Metamorfose

Atraso Pontual - Paulo Leminski

Ontens e hojes,
amores e ódio,
adianta consultar o relogio?
Nada poderia ter sido feito,
a não ser o tempo em que foi lógico.
Ninguém nunca chegou atrasado.
Bençãos e desgraças
vem sempre no horário.
Tudo o mais é plágio.
Acaso é este encontro
entre tempo e espaço
mais do que um sonho que eu conto
ou mais um poema que faço?

Ninguém é despojado do corpo - Carpinejar

Queria uma explicação. Agora não quero nada que me explique.
Desistir é explicar.
Permaneço. Usufruto de sombras.
Amar não é aceitar, amar é escolher.
Não desejo buscar um lugar no mundo, mas guardar um lugar do desejo no corpo.
Há algo que o tempo não toca.
Eu conheci minha avó envelhecida. Ela, então, nunca ficou velha para mim.
A criança vê o rosto que não foi tocado pelo tempo.
O tempo não está no rosto, mas na forma como fugimos do tempo.
Quanto maior o desespero, maior será o peso fora do corpo.
Denuncia-se o esconderijo pela respiração ofegante.
Vou ficar parado como uma árvore equilibrando os frutos ou como uma chama lavando as costas.

Nas primeiras horas, o crepúsculo tem folhas verdes - Carpinejar

Minha amiga pede o que deve fazer para exercitar a liberdade por dentro.
Eu digo que não precisamos de liberdade. A única liberdade que eu conheço é o amor.
E o amor nos faz tão rentes, estreitos e com pensamentos repetitivos, obsessivos, que mais lembra um confinamento da boca.
Há atitudes na vida impossíveis de se alterar, porque são intuitivas, primitivas, originárias.
Uma criança com febre vai querer permanecer próximo da mãe, não do pai, por mais que ele seja generoso e participativo. Não queremos a soltura, mas o entrelaçamento, algo que nos arranque de nossa independência. Algo que a gente não explique e aumente a queimadura.
Eu passei a vida querendo me explicar quando o que mais desejo é viver sem explicação.
Prefiro perder a cabeça para ganhar o corpo.
Quando se ama, entra-se no processo de audição seletiva. Só se escuta a própria voz ou os outros quando repetem o que pretendíamos escutar.
As mãos chovem nas calhas dos lábios. O pássaro é um fruto que voa.
Ele voa para não apodrecer sozinho. Há cidades que o vento escolhe para envelhecer.
Há cidades que são asilos de ventos. Eu quero envelhecer ardendo. O sol parando o gomo.
Ser completado pelo solo de quem amei verdadeiramente até nas mentiras.

sábado, 16 de janeiro de 2010

Nada é impossível mudar - Bertold Brecht

Nada é impossível mudar
Desconfiai do mais trivial,
na aparência singelo.
E examinai, sobretudo, o que parece habitual.
Suplicamos expressamente:
não aceiteis o que é de hábito como coisa natural,
pois em tempo de desordem sangrenta,
de confusão organizada,
de arbitrariedade consciente,
de humanidade desumanizada,
nada deve parecer natural
nada deve parecer impossível de mudar.

Fragmento de Frida Kahlo

"Pensaram que eu era surrealista, mas nunca fui.
Nunca pintei sonhos, só pintei minha própria realidade".

Talvez - Pablo Nerruda

Talvez não ser,
é ser sem que tu sejas,
sem que vás cortando
o meio dia com uma
flor azul,
sem que caminhes mais tarde
pela névoa e pelos tijolos,
sem essa luz que levas na mão
que, talvez, outros não verão dourada,
que talvez ninguém
soube que crescia
como a origem vermelha da rosa,
sem que sejas, enfim,
sem que viesses brusca, incitante
conhecer a minha vida,
rajada de roseira,
trigo do vento,
E desde então, sou porque tu és

E desde então és
sou e somos...
E por amor
Serei... Serás...Seremos...

Teu riso - Pablo Nerruda


Tira-me o pão, se quiseres,
tira-me o ar, mas não
me tires o teu riso.
Não me tires a rosa,
a lança que desfolhas,
a água que de súbito brota da tua alegria,
a repentina onda de prata que em ti nasce.
A minha luta é dura
e regresso com os olhos cansados às vezes
por ver que a terra não muda,
mas ao entrar teu riso sobe ao céu a procurar-me
e abre-me todas as portas da vida.
Meu amor, nos momentos mais escuros solta o teu riso
e se de súbito vires que o meu sangue mancha as pedras da rua,
ri, porque o teu riso será para as minhas mãos como uma espada fresca.
À beira do mar, no outono,
teu riso deve erguer sua cascata de espuma,
e na primavera, amor,
quero teu riso como a flor que esperava,
a flor azul, a rosa da minha pátria sonora.
Ri-te da noite, do dia, da lua,
ri-te das ruas tortas da ilha,
ri-te deste grosseiro rapaz que te ama,
mas quando abro os olhos e os fecho,
quando meus passos vão,
quando voltam meus passos, nega-me o pão, o ar, a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria.

Olhos - José Saramago

(...) fizemos dos olhos uma espécie de espelhos virados para dentro,
com o resultado, muitas vezes,
de mostrarem eles sem reserva o que estávamos tratando de negar com a boca.'



in Ensaio Sobre a Cegueira

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Amor meu - Chico Buarque

"O meu amor tem um jeito manso que é só seu
E que me deixa louca quando me beija a boca
A minha pele toda fica arrepiada
E me beija com calma e fundo
Até minh'alma se sentir beijada”

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Compensação - Roque Schneider

Contradições,
crises e conflitos angustiam,
retalham,
mas trazem fecundidade também.

Sossegar - Fernando Pessoa

Dormir!
Adormecer!
Sossegar!
Ser uma consciência abstracta de respirar sossegadamente,
sem mundo, sem astros,
sem alma ─ mar morto de emoção reflectindo uma ausência de estrelas!”

in O Livro do Desassossego .

Definindo-me - Fernando Pessoa

"Quem sou eu para mim?
Só uma sensação minha.
O meu coração esvaia-se sem querer, como um balde roto.
Pensar?
Sentir?
Como tudo cansa se é uma coisa definida!”
in O Livro do Desassossego.

Sobre ler - Rubem Alves

Ler rapidamente aquilo que o autor levou anos para pensar é um desrespeito.
É certo que os pensamentos, por vezes, surgem rapidamente, como num relâmpago.
Mas a gravidez é sempre longa. Há frases que resumem uma vida.
Por isso é preciso ler vagarosamente,
prestando atenção nas idéias que se escondem nos silêncios que há entre as palavras.
Eu gostaria que me lessem assim.
Quer eu escreva como um poeta, no esforço para mostrar a beleza,
ou como palhaço, no esforço para mostrar o ridículo,
é sempre a minha carne que se encontra nas minhas palavras.

in Ostra Feliz Não Faz Pérola

Luz das velas - Rubem Alves

O amor nasce, vive e morre pelo poder
– delicado – da imagem poética que o amante vê no rosto da amada.
O amor prefere a luz das velas.
Talvez porque seja isto tudo o que desejamos da pessoa amada:
que ela seja uma luz suave que nos ajude a suportar o terror da noite.

in Ostra Feliz Não Faz Pérola

Dia de chuva - Alberto Caieiro

"Um dia de chuva é tão belo como um dia de sol.
Ambos existem; cada um como é.”


in Poemas Completos de Alberto Caieiro .

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Impulso - Hermann Hesse

Tem ansiado abandonar este tempo, este mundo, esta realidade,
e entrar numa outra realidade que lhe seja mais adequada, num mundo intemporal.
Pois faça-o, meu amigo, eu o convido a este.
Você já sabe onde se oculta esse outro mundo,
já sabe que esse outro mundo que busca é a sua própria alma.
Só em seu próprio interior vive aquela outra realidade por que anseia.
Nada lhe posso dar que já não exista em você mesmo,
não posso abrir-lhe outro mundo de imagens além daquele que há em sua própria alma.
Nada lhe posso dar, a não ser o impulso, a chave.
Eu o ajudarei a tornar visível seu próprio mundo, e isso é tudo.


in O lobo das Estepes

Um rio... - Mário Quintana

Deixa-me ser o que sou,
O que sempre fui,
um rio que vai fluindo...
Em vão, em minhas margens
cantarão as horas
Me recamarei de estrelas
como um manto real
Me bordarei de nuvens e de asas,
Às vezes virão a mim as crianças banhar-se...
Um espelho não guarda as coisas refletidas!
E o meu destino é seguir... é seguir para o Mar,
As imagens perdendo no caminho...
Deixa-me fluir, passar, cantar...
Toda a tristeza dos rios
É não poder parar!

Ainda é tempo... - Robin S Sharma

"Vivemos num mundo muito estranho.
Dispomos de meios que nos permitem enviar mensagens para todo o mundo
com uma precisão milimétrica, contudo,
sentimos dificuldade em atravessar a rua para darmos as boas-vindas a um novo vizinho. Passamos mais tempo a ver televisão do que a estabelecer uma boa relação com os nossos filhos. Dizemos que queremos mudar o mundo,
mas não temos a mínima intenção de mudar a nossa maneira de ser.
E depois, quando o sol começa a pôr-se nas nossas vidas,
é que permitimos a nós próprios algum tempo de reflexão mais profunda,
é que vislumbramos fugazmente as alegrias de que poderíamos ter desfrutado,
a generosidade que poderíamos ter demonstrado para com os outros
e as pessoas que poderíamos ter sido.
Mas nessa altura já é tarde de mais."

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Aprendizados - Augusto Cury

"Aprendi que em toda nossa história devemos construir pontes de perdão,
em especial para nos perdoar, caso contrário, não conseguimos sobreviver.
Aprendi que nenhuma doença mental diminui a dignidade de um ser humano.
Aprendi que excluir ou isolar alguém é assassiná-lo emocionalmente,
é matá-lo sem interromper seus batimentos cardíacos, sem lhe extrair o sangue."

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Amor Sublime - Renato Russo

Lembro de você amor
Toda a vez que eu passo aqui
Noites de luar,
manhãs de sol
A iluminar os nossos destinos
Sei que não há mais ninguém
Que possa me preencher
O amor com você,
é mais bonito,
é todo azul mar
Vem me fazer feliz oh! meu bem...

Foto: Praia do Luz - Imbituba (SC) - jan/2010

Uma estrela e um astro - Cáh Morandi

Pegas meu corpo
me prendes num abraço
giramos no espaço
me levas no céu
me pintas no alto
perto d’uma estrela
coberta de luz
luzindo meu astro.