terça-feira, 2 de março de 2010

A arte de escrever - Schopenhauer

Assim como as atividades de ler e aprender, quando em excesso,
são prejudiciais ao pensamento próprio,
as de escrever e ensinar em demasia também desacostumam os homens da clareza e profundidade do saber e da compreensão,
uma vez que não lhes sobra tempo para obtê-los.
Com isso, quando expõe alguma idéia,
a pessoa precisa preencher com palavras e frases as lacunas de clareza em seu conhecimento.
É isso, e não a aridez do assunto, que torna a maioria dos livros tão incrivelmente entediante. Pois, como podemos supor,
um bom cozinheiro pode dar gosto até a uma velha sola de sapato;
da mesma maneira, um bom escritor pode tornar interessante mesmo o assunto mais árido.


in “ A arte de escrever”

Um comentário:

Leonardo B. disse...

[... numa palavra: touché!

não podia vir mais a propósito este seu post, porque necessitado de alguma regeneração na derme da vida, está a chegar aquele tempo em que tenho que saber parar e respirar mundo... só assim a expiração pode ser frutuosa]

um dez cem meus abraço, Adélia

Leonardo B.